Sorrosal

Via Ferrata del Sorrosal: Entre o medo e o arrojado?

americo_gonçalves_1

Em 2012 tive oportunidade de fazer uma férias como nunca tinha feito.Sendo amante de caminhadas, surgiu a hipótese de fazer um trek num dos locais mais bonitos da Europa: Os Pirinéus Aragoneses.

Considerei este trek como uma evolução natural da caminhada e foi com esse sentimento que pus as solas no caminho.Quem já fez a passagem da Brecha de Rolando sabe que este trek não é difícil, mas tem umas passagens que exigem algum cuidado, como é o caso das correntes antes da Brecha.

 

Com bastante cuidado e tremura nas pernas o passo foi ultrapassado! E esta passagem deu-me coragem para a actividade facultativa que estava prevista para o último dia: A Via Ferrata del Sorrosal!Esta via ferrata encontra-se na povoação de Broto, Espanha e no fim, considerei uma via relativamente fácil de realizar e com imagens que ficam no olho (ou se tiverem coragem de largar a mão – tirar uma fotografia).

 

Via ferrata del Sorrosal

Correntes na Brecha de Rolando!

Tem passagens verticais, horizontais, túneis, quedas de água e lagoas.Quando tirei o segundo pé do chão e olhei para cima, o que me veio à cabeça foi: “Porra! Ainda vais a tempo de voltar para trás!”- Mas não sei se foi a possibilidade de ficar com o orgulho esborrachado ou o começar a sentir a adrenalina a correr no sangue, a verdade é que lá subi! Seguindo todas as instruções de segurança dadas pelo guia, passo a passo, mosquetão a mosquetão, lá fui subindo. E se no início essa tarefa (colocação dos mosquetões) era uma confusão (ou seriam os nervos?), passados uns minutos reparei que, sem perder de vista a segurança, a tarefa de avançar metro a metro era feita de modo mais confiante, chegando ao ponto de aperfeiçoar a técnica de agarrar o mosquetão, abrir, colocar na linha de vida e fechar, tudo com o mínimo de movimentos e máxima segurança. Essa confiança foi necessária para ultrapassar zonas um pouco mais complicadas.

Via ferrata del Sorrosal

Palavras para quê…

Quanto à via propriamente dita, a parte inicial tem agrafos bem espaçados e num numero que permite avançar com tranquilidade, o que é importante numa fase em que os nervos ainda ditam as regras. Nas passagens horizontais, o avanço era realizado com recurso a cavilhas e algumas vezes, agrafos ou saliências da rocha, que não deixavam de dar uma sensação de vazio. Todos as passagens estavam bem preparadas e notava-se que a via tinha uma boa conservação. Não deixou de ser interessante uma parte em escada que dava acesso a um túnel.Depois de ganhar segurança e confiança na via, restou-me apreciar a actividade, admirar a paisagem e sentir que poucas pessoas poderão apreciar a natureza da mesma forma que eu.

Via ferrata del Sorrosal

Passagem aérea e exposta!

No fim, ficou um sentimento bom de cansaço enquanto se desfrutava de uma vista magnifica.Se farei outra via ferrata? Só posso dizer que muitas vezes, quando se abre uma porta, não é para se fechar outra vez!

Boas aventuras a todos!

pub

//