Técnica e Material

Escolher bastões de trekking

bastões de trekking

 

Os bastões de trekking são, hoje em dia, um equipamento essencial para caminhantes, pedestrianistas, trekkers e alpinistas. Qual razão disto?

Os bastões (battons em françês) melhoram grandemente a estabilidade, conferindo melhor apoio em qualquer tipo de terreno. Na compra destes, devem-se ter em conta algumas características: peso, preço, sistemas de absorção, material  e  empunhadura.

 

 

 

Vantagens da utilização de bastões na marcha:

  • melhoram o equilíbrio e o andar;
  • nas descidas, aliviam a carga sobre as pernas e articulações;
  • transferem carga das pernas para os ombros, braços e costa nas subidas. Este facto reduz a fadiga muscular nas pernas e melhora o ritmo de ascensão;
  • aumentam a segurança na travessia de rios, pedreiras, zonas de neve e gelo, e encostas escorregadias (neve, erva, gravilha, …);
  • ajudam a estabelecer e a manter um ritmo de marcha.
  • são um bom acessório para improvisar uma maca, fazer um abrigo, ou realizar uma ancoragem na neve.

São indispensáveis para praticantes com joelhos e ancas “tocados” e nas saídas com raquetes de neve. Alguns estudos estimam um alívio de cerca de 300 toneladas numa caminhada de 9 horas.

Tipos de bastões de trekkingbastões de trekking

  • Bastões anti-choque – bastões com sistema amortecedores de vibrações e choque. (podem ser interessantes para alguns mas acho que não valem o dinheiro);
  • Bastões standard – mais baratos e mais leves do que os primeiros (e fazem o mesmo efeito);
  • Bastões de mulher ou criança – são mais pequenos e mais leves do que os standard;
  • Bastões de passeio – vendem-se às unidades e não aos pares.

Considerações

Na compra do bastões de trekking devem ser tidos em consideração vários aspectos:

  • peso;
  • construção: em alumínio (mais barato) ou em carbono (mais caro);
  • estrutura: dois ou três segmentos – com três segmentos, os bastões, apesar de serem estruturalmente mais débeis, são mais fáceis de arrumar e transportar. Na marcha não se usam bastões de um segmento, comuns no esqui;
  • empunhadura: esta pode ser simples ou estendida; em cortiça, espuma ou borracha. Eu uso a simples de borracha.
  • Correias: que tenham um sistema de ajuste simples mas decente.  Alguns são esquisitos e não são nada práticos.
  • Rosetas: de marcha e de neve intercambiáveis.

    bastões de trekking

    Rosetas

  • Sistema de fixação dos segmentos: normalmente são tipo “rosca”.

Conclusões

Não voltem ao monte sem eles, nem que seja para um passeio. Em neve são indispensáveis, sobretudo com raquetes no pés. Realmente poupam esforço a subir e os joelhos a descer. Não comprem uma coisa muito cara cheia de gadgets xpto que não servem para nada. Confirmem que se podem trocar as rosetas (alguns são um martírio) e que existem peças para reparações (roscas), rosetas e mangas para as pontas de aço. Os que nos interessam são vendidos ao pares e o seu preço oscila entre os 40 euros e os 120 euros (o par).

Notas finais

Em terreno alpino (neve,gelo, compromisso, risco de queda,…) os bastões substituem-se pelo piolet. Neste ambiente, alguns manuais sugerem a utilização de um bastão “no lado do vale” e um piolet no “lado do monte”. Alguns alpinistas discordam desta solução pois consideram que compromete a auto-detenção em caso de queda.

Um amigo meu, apreciador da escalada, disse-me também que nunca os usa em terreno fácil (caminhos,…) pois tendem a “facilitar demasiado” os apoios provocando sensações de desequilíbrio quando estamos sem eles.

Quando o terreno se torna muito inclinado e simultaneamente rochoso, onde usar as mãos é uma necessidade, então está na hora de arrumar os bastões e tirar o capacete.

Brevemente colocarei um post sobre como ajustar e utilizar correctamente os bastões de trekking.

Já usam bastões de trekking? Partilhem a vossa experiência.

 

1 comment to Escolher bastões de trekking